Cirurgia do LCA : reconstrução do ligamento cruzado anterior

Descrição de uma cirurgia do LCA ou artroscópica para reconstrução do Ligamento Cruzado Anterior. Falarei da cirurgia atualmente mais realizada, que usa os tendões flexores como enxerto na posição anatômica.

Conheça as indicações de tratamento operatório >
Situações para tratar sem cirurgia a lesão do LCA >
Saiba mais sobre a lesão do ligamento cruzado anterior >

O paciente , ao chegar à sala cirúrgica , será atendido pelo anestesista . O tipo de anestesia mais utilizada nesta cirurgia é a raquianestesia, muitas vezes acrescentada de uma sedação, para tranquilizar o paciente.

A seguir , posicionamos o paciente deitado na mesa cirúrgica . Colocamos um garrote pneumático na raiz da coxa para que não haja sangramento durante a operação . Retiramos os pêlos do joelho e da perna (tricotomia) e realizamos a assepsia do membro para iniciarmos a cirurgia propriamente dita.

O primeiro passo da reconstrução do LCA consiste na retirada dos tendões flexores, através de uma pequena incisão na parte interna da perna, logo abaixo do joelho.

cirurgia do lca

Após a retirada do enxerto pelo ortopedista, seu auxiliar deve prepará-lo, deixando-o pronto para substituir o lca. Os tendões são dobrados ao meio , formando uma novo ligamento, espesso e resistente.

Enquanto isto, o cirurgião inicia a parte artroscópica da cirurgia, através de dois pequenos furos na frente do joelho. Coloca uma câmera dentro do joelho e pode então estudar as lesões previamente diagnosticadas . O lca é avaliado e ressecado os tecidos cicatriciais excedentes com o auxílio de pinças especiais e também de um aparelho chamado shaver, evitando retirar todo o tecido restante, para preservar células proprioceptivas. A seguir, inspeciona o restante do joelho a procura de outras lesões , como lesões do menisco e de cartilagem . Obviamente que o ortopedista deve corrigir estas lesões associadas quando presentes.

O próximo passo é a confecção dos túneis ósseos na tíbia e no fêmur . Os túneis são feitos com brocas especiais e é dentro destes ” buracos ” nos ossos que o novo ligamento ficará inserido. É muito importante o correto posicionamento destes túneis para o sucesso da cirurgia.

Para terminar a cirurgia , o ortopedista coloca o enxerto dentro dos túneis e o fixa ao osso através de dispositivos especiais . Normalmente , na tíbia usamos parafusos especiais chamados parafusos de interferência . Eles podem ser metálicos ou absorvíveis. Já no fêmur existem diversos dispositivos , incluindo os mesmos parafusos da tíbia . Outros dispositivos incluem : endobutton, parafuso transverso, Rigid Fix, etc.

fixação do enxerto para LCA

Após a fixação do enxerto, o médico testa a articulação do joelho, observando se ela apresenta uma mobilidade adequada (se a flexão e a extensão estão completas) e principalmente se o joelho está estável (finalidade principal desta cirurgia) . Os testes realizados antes da cirurgia (Lachman e gaveta anterior) devem ser negativos ao término da cirurgia.

Os cortes realizados são suturados com nylon e realizado curativos oclusivos. O uso de dreno cirúrgico é usual. Não pode ser utilizado nenhuma imobilização após o procedimento, pelo risco de artrofibrose.

Sobre as lesões do ligamento cruzado posterior >
Sobre as lesões dos ligamentos colaterais do joelho >
Vídeo da cirurgia de reconstrução do LCA >

Após a cirurgia, o paciente fica internado por uma noite no hospital, recebendo medicamentos analgésicos e antibióticos profiláticos. No dia seguinte, troca os curativos, orienta exercícios leves que o paciente fará em casa e o seguimento pós-operatório, e é fornecido a alta.

MUITO BOM! VOCÊ LEU TODO O CONTEÚDO. Ficou alguma dúvida? Deixe uma pergunta nos comentários abaixo, que será respondida.

Compartilhe essa informação!
Joelho-Brasília
Joelho-Brasília

Dr. Márcio R. B. Silveira, criou a Clínica Salus Ortopedia e Fisioterapia em Brasília-DF, para atuar principalmente no tratamento de lesões de cartilagem, buscando sua reparação e transplante; lesões de menisco com sutura em crianças e reparo; rupturas ligamentares articulares e sua reconstrução biológica e prevenção; tratamento da artrose, com medidas medicamentosas e artroplastias; tendinites e rompimento de tendões provocadas tanto por atividades esportivas, como por alterações degenerativas; fraturas em idosos que apresentam ossos mais frágeis; e enfoque na reabilitação muscular e postural, através de protocolo exclusivo baseado na análise cinemática da marcha.

No Comments

Escreva uma Mensagem ou Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *